Bem-vindo -
14/03/2024

Dengue em Marília mostra queda no número de casos pela 3ª semana consecutiva

Com plano de contingência em ação, o Município mantém atendimento prioritário para dengue nas UBSs, USFs, UPA e PA, visita de agentes de endemia nas residências e nebulização nos bairros.
Pela 3ª semana consecutiva, conforme gráfico de monitoramento da Secretaria Municipal de Saúde de Marília, as notificações e confirmações da doença apresentaram queda. Desde a 7ª Semana os números estão caindo. O recuo é nitidamente notado nas semanas seguintes: a 8ª, 9ª e a 10ª, cujos dados epidemiológicos foram divulgados nesta quarta-feira, dia 13 de março de 2024. Conforme boletim epidemiológico da Vigilância Epidemiológica de Marília, até a 10ª Semana do ano (de 1º de janeiro a 9 de março de 2024) a cidade confirmou 2.477 casos de dengue e 5 mortes.

A 5ª morte pela doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti trata-se de uma mulher, de 52 anos, portadora de doença cardiovascular crônica, que apresentou os primeiros sintomas de dengue em 10 de fevereiro de 2024. Houve evolução com complicações da doença chamada Síndrome de Guillain Barré. A paciente, então, passou por atendimento público e privado da rede de saúde, vindo a óbito em 27 de fevereiro de 2024. 

Instituído pelo prefeito Daniel Alonso, o plano de contingência continua com ações de controle e erradicação dos criadouros do mosquito, bem como com atendimento prioritário em todas as unidades da rede de atenção básica de Saúde (UBSs, USFs, UPA - Unidade de Pronto-Atendimento zona Norte - e PA - Pronto-atendimento zona Sul) aos pacientes que chegam com o sintoma da dengue. “Seguimos com a hidratação aos pacientes em todas as unidades da rede”, informou a enfermeira e supervisora da Vigilância Epidemiológica Alessandra Arrigoni, do comitê municipal de enfrentamento à dengue (estabelecido pelo Decreto Municipal nº 14.263, de 5 de fevereiro de 2024).

Os pacientes classificados nos grupos A e B (grupo A: caso suspeito de dengue, ausência de sinais de alarme e sem comorbidades, grupo de risco ou condições clínicas especiais; grupo B: caso suspeito de dengue, ausência de sinais de alarme e com sangramento espontâneo de pele ou induzido) são atendidos de forma prioritária nas unidades de atenção primária, enquanto os pacientes dos grupos C e D (grupo C: caso suspeito de dengue com presença de algum sinal de alarme, como dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes, sangramento de mucosa, etc; grupo D: caso suspeito de dengue e presença de sinais de choque, sangramento grave ou disfunção grave de órgãos) têm prioridade de atendimento nas urgências da UPA zona Norte e PA zona Sul, ambas com funcionamento contínuo e permanente 24 horas do dia. “Importante informar que a unidade do bairro Nova Marília mantém atendimento até as 22 horas”, disse a enfermeira Alessandra Arrigoni.

Todo paciente suspeito pode procurar atendimento nas unidades de saúde de Marília, caso  apresente sintomas como febre, dor no corpo e dor de cabeça. O prefeito Daniel Alonso ressaltou que todos os esforços da administração municipal estão sendo feitos para que a epidemia de dengue permaneça sob controle. “A luta contra o mosquito não para e peço que as famílias abram suas residências aos nossos agentes de saúde, aos agentes do controle de endemia, pois somente assim continuaremos a vencer esta guerra”, assegurou o chefe do Poder Executivo.

Fotos: Divulgação
Compartilhe!
Deixe seu comentário

Veja
Também

Marília Urgente - Sua Notícia em Marília e Região
© Copyright 2019 Marília Urgente - Sua Notícia em Marília e Região. Todos os direitos reservados.