Bem-vindo -
10/06/2021

Saúde cogita colocar PMs da atividade delegada nas UPAs

A Secretaria Municipal de Saúde analisa a possibilidade de contratar policiais militares em atividade delegada para reforço da segurança nas UPAs. A medida passou a ser discutida após reunião realizada com a diretora do Departamento de Urgência, Alana Trabulsi Burgo, e médicas que atuam nestes locais.

O encontro ocorreu em meio à degradação das condições de trabalho das equipes de saúde, impulsionada pela elevação de pacientes durante a pandemia e o acirramento de ânimos dos usuários diante da demora de atendimento. "Iremos nos certificar da segurança jurídica para contratar estes policiais. Se tivermos o aval, a ideia é manter um PM em cada uma das UPAs", comenta o secretário de Saúde, Orlando Costa Dias. Ele adianta que será discutido, ainda, o aumento da remuneração dos plantões, que são é reajustada desde 2014, o que ajuda a reduzir o número de médicos interessados.

"Também iremos melhorar o conforto destes profissionais, que são coisas básicas, como troca de colchões onde eles dormem, substituição de trancas, entre outras coisas", detalha. De acordo com o secretário, novas reuniões deverão ser realizadas para ouvir mais médicos.

PIOR SITUAÇÃO

Todos são contratados via Fundação Estatal Regional de Saúde da Região de Bauru (Fersb). Diretora-geral da instituição, Claudia Sgavioli avalia que a situação vivida dentro das UPAs durante o feriado prolongado de Corpus Christi foi a pior dos últimos anos, configurando o ápice de um contexto que vem se deteriorando nos últimos 90 dias, com a segunda onda da pandemia da Covid-19.

"O desinteresse dos médicos pelos plantões das UPAs de Bauru é multifatorial e as condições de trabalho são um dos aspectos. Além da preocupação com segurança e do aumento do número de atendimentos, é importante destacar que os profissionais estão sobrecarregados também porque precisam dedicar atenção aos pacientes que ficam 'internados' na unidade, aguardando vagas em hospitais. E isso, evidentemente, faz com que sobre menos tempo para o atendimento de pacientes que estão na porta das UPAs", completa. Na noite desta quarta-feira (9), para se ter ideia, 85 pacientes estavam em unidades de urgência e emergência do município esperando transferência para hospitais.



Fonte: JC Net
Compartilhe!
Deixe seu comentário

Veja
Também

Marília Urgente - Sua Notícia em Marília
© Copyright 2019 Marília Urgente - Sua Notícia em Marília. Todos os direitos reservados.